09 agosto 2017

QUEBRA DE CONTRATO: Detentos de SP ficam sem tornozeleira após decisão de Alckmin

A gestão Geraldo Alckmin (PSDB) rompeu o contrato com a empresa responsável pelo monitoramento de tornozeleiras eletrônicas de aproximadamente 7 mil detentos do estado de São Paulo. A decisão foi publicada no Diário Oficial desta quarta-feira (9). De acordo com a Folha de S. Paulo, este número inclui mais de 4.500 presos do regime semi aberto e 2500 que são monitorados durante saídas temporárias. Até o momento, não se tem previsão de quando o serviço voltará a funcionar. "Em agosto agora, no Dia dos Pais, não temos como monitorar", afirmou Lourival Gomer, secretário estadual da Administração Penitenciária.
Reações:
    

0 comments:

Postar um comentário