21 março 2018

VICIADA EM AGREDIR: Desembargadora vai responder criminalmente por acusações falsas


O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) informou ontem (20) que abriu procedimento para investigar uma publicação feita pela desembargadora Marília de Castro Neves (que teria salário de R$ 54 mil), do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, na qual a magistrada acusa a vereadora carioca Marielle Franco (PSOL) de estar “engajada com bandido” e envolvida com a organização criminosa Comando Vermelho. Marielle foi executada na semana passada, com quatro tiros na cabeça, no centro do Rio. Em post no Facebook dois dias após a morte da vereadora, Marília de Castro Neves escreveu: “a tal da Marielle não era apenas uma ‘lutadora’; ela estava engajada com bandidos! Foi eleita pelo Comando Vermelho e descumpriu ‘compromissos’ assumidos com seus apoiadores”. A Associação Brasileira de Juristas para Democracia também acionou o CNJ para que investigasse a desembargadora por publicações em que ironizou uma professora com síndrome de Down.  “O que será que essa professora ensina a quem???? Esperem um momento que eu fui ali me matar e já volto, tá?”, postou Marília no Facebook. O CNJ informou ter aberto um pedido de providências para que a desembargadora se explique a respeito deste caso. Em outra manifestação em rede social, divulgada agora à noite, a desembargadora Marília Castro Neves propôs um “paredão profilático” para o deputado Jean Willys, “embora não valha a bala que o mate e o pano que limpe a lambança”, diz ela. Como frequentadora contumaz do Facebook e como administradora de um grupo de WhatsApp, é possível que nas próximas horas apareçam mais barbaridades de Marilia Castro Neves. Dificilmente a “magistrada” escapará de uma punição severa do Conselho Nacional de Justiça (CNJ)
Reações:
    

0 comments:

Postar um comentário