04 junho 2017

POR UM TRIZ: Temer pensou em renunciar na noite em que áudio da JBS foi revelado

O presidente Michel Temer (PMDB) pensou seriamente em renunciar na noite de 17 de maio, quando estourou a maior crise política do governo, após divulgado o conteúdo de uma conversa do líder do Planalto com o empresário Joesley Batista, dono da JBS. Houve quem aconselhasse Temer a renunciar, considerando que seria ruim para a imagem dele e que ele corria o risco de sofrer um processo de impeachment caso não deixasse o cargo, agravando ainda mais a crise política no Brasil. Por outro lado, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral da Presidência), o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), o líder do PMDB na Câmara, Baleia Rossi (SP) e o senador Jader Barbalho (PMDB-PA) acabaram por convencer o peemedebista a resistir e permanecer no cargo. No dia seguinte, quinta-feira (18), o presidente se pronunciou em rede nacional e anunciou que não renunciaria, além de pedir que fosse feita uma perícia no áudio entregue por Joesley à Lava Jato. "Por muito pouco, Temer não renunciou", afirmou um aliado ao Blog do Camarotti, no G1.
Reações: