04 junho 2017

Palácio do Planalto acusa Janot de "irresponsabilidade jurídica"

Assessores próximos de Michel Temer acusam o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de "irresponsabilidade jurídica e intelectual" ao afirmar que o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), preso neste sábado, 03, pela Polícia Federal, é o "verdadeiro longa manus" do presidente. A estratégia do Palácio do Planalto, agora, será enfrentar o Ministério Público e o relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin. Para embasar a crítica a Janot, auxiliares de Temer usam uma degravação feita pelo Palácio do Planalto da conversa entre o presidente e o empresário Joesley Batista, dono da JBS. Segundo eles, a Procuradoria-Geral da República escondeu um trecho da conversa na qual Temer faz a seguinte afirmação a Joesley: "Pode passar pro e-mail dele (Loures); é da minha mais estreita confiança". Nas versões da conversa que têm sido divulgadas até agora, a palavra "e-mail" aparece como "inaudível". Na avaliação do Planalto, Temer não pediria para Joesley enviar um e-mail a Loures para tratar de assuntos impróprios. "Só uma pessoa com irresponsabilidade jurídica e intelectual poderia fazer uma afirmação dessas", disse um assessor próximo do presidente.
Reações: