02 junho 2017

De olho em 2018, Alckmin pede fim de rebelião do PSDB-SP contra Temer

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, pediu o fim da rebelião da seção paulista do PSDB contra o governo de Michel Temer (PMDB). O tucano quer o partido unido na defesa do presidente, que enfrenta grave crise política decorrente da delação da JBS no âmbito da Operação Lava Jato. Em jantar realizado com seis dos principais prefeitos tucanos do interior, na noite de quinta (1) no Palácio dos Bandeirantes, Alckmin pediu que eles usassem sua influência para esvaziar o encontro marcado para a próxima segunda (5), no qual o Diretório Estadual do partido pretendia anunciar o rompimento com Temer. O presidente deverá encontrar o governador neste fim de semana. Estiveram no encontro os prefeitos de Santos, São Bernardo do Campo, São José dos Campos, Ribeirão Preto, Jundiaí e Piracicaba, além do presidente da Assembleia Legislativa, Cauê Macris, e do secretário de Governo, Samuel Moreira. O sétimo convidado, Paulo Serra (Santo André), estava viajando. A "ordem unida" decorre da leitura de Alckmin de que, por ora, o governo Temer resiste ao vendaval de denúncias. Na avaliação do governador, há clima em Brasília inclusive para a absolvição do peeemdebista no julgamento da chapa que foi eleito como vice em 2014, o que tiraria muito da pressão sobre o Planalto.
Reações: