13 maio 2017

Rede de lojas que explorou morte de Marisa, já operou com doleira presa na Lava Jato

A rede varejista Marisa, que virou alvo de críticas nas redes sociais nesta sexta-feira 12 após fazer piada com o nome de Marisa Letícia, esposa do ex-presidente Lula já falecida, já operou com doleira presa na Lava Jato. A notícia foi trazida à tona pela jornalista Cynara Menezes, do blog Socialista Morena. Uma reportagem do jornal Valor Econômico de dezembro de 2014 apontava que a empresa depositou R$ 3,2 milhões para a doleira Nelma Kodama, condenada a 18 anos de prisão por 91 crimes de evasão de divisas no âmbito da Lava Jato. Um post das Lojas Marisa com anúncio de promoções para o Dia das Mães dizia: "Se sua mãe ficar sem presente, não é culpa da Marisa". O texto fazia referência ao depoimento de Lula ao juiz Sergio Moro e mostrou que a loja comprou a versão canalha de determinados meios de comunicação que, sem provas materiais contra Lula, passaram a atacar suas supostas falhas morais. Uma campanha de boicote à loja já foi criada na internet.
Reações: