14 maio 2017

LAVA JATO: Investigados dizem que não serão cassados e miram reeleição

84 congressistas são investigados pela Operação Lava Jato com base em pedidos feitos pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. No entanto, a Folha de S. Paulo entrou em contato com os deputados e senadores alvos da Operação e eles afirmaram duvidar que sofrerão processo de cassação e planejam continuar na vida pública. "Estou há dois anos e dois meses esperando meu processo ser arquivado. O cara [o doleiro Alberto Youssef] diz que me deu [propina], eu já provei que não deu. Fui 24 vezes na Procuradoria, estive oito vezes com Janot e não consigo tirar meu nome desse negócio", reclama Luiz Carlos Heinze (PP-RS). Renan Calheiros (AL) também foi outro que minimizou o risco de enfrentar novamente o Conselho de Ética. "Eu estou sendo investigado pela interpretação, pelo 'ouvi dizer'. Há evidente falta de provas", afirmou o alvo de 17 inquéritos na Lava Jato. O levantamento da Folha aponta que 54 deputados e senadores disseram não acreditar que serão alvos de processo de cassação. Outros 30 não quiseram se manifestar. Dos que responderam as perguntas da Folha, 50 dizem que pretendem se manter na vida pública, a maioria disputando a reeleição. Edison Lobão (PMDB-MA), 80 anos, é alvo de seis inquéritos da Lava Jato. "Sou o mais antigo, e não o mais velho, desta Casa: 32 anos de mandato. Não vou tentar a reeleição. É evidente que vou me reeleger."
Reações: