25 maio 2017

CRISE POLÍTICA: 'O rei está morto, mas não enterrado', diz cientista político

As cenas de depredação e conflito ocorridas durante manifestação contra o governo Michel Temer em Brasília podem recrudescer à medida que o presidente se mantenha no cargo. A avaliação é do cientista político Fernando Abrucio, da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP), para quem o clima de descontentamento e desrespeito ao poder tende a aumentar à medida que "o rei está morto, mas não enterrado". Abrucio afirma que eleições diretas tendem a criar mais instabilidade porque alongaria o período em que o país ficaria sem governo. “O governo, do ponto de vista da parca credibilidade que tinha, acabou. Do ponto de vista congressual, ele também não tem mais a mesma força. Portanto, por mais que ele se mantenha no cargo, seu governo está se desmilinguindo a olhos nus. Temer não tem mais condições de governabilidade. O que a classe política discute agora é como será feita a transição, com qual método e quais pessoas. O rei está morto, mas não enterrado.”
Reações: