09 março 2017

LAVA JATO: Versão de delator difere da contada por amigo de Temer sobre propina

A delação do ex-executivo da Odebrecht José Carvalho Filho confirma o envolvimento de Eliseu Padilha no episódio sobre o repasse de dinheiro da empreiteira para a campanha do PMDB de 2014, mas difere do depoimento prestado por José Yunes, ex-assessor e amigo de Michel Temer. Na versão de Yunes, Lúcio Funaro, um operador financeiro ligado ao ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), levou um pacote a seu escritório a pedido de Padilha, mas afirmou não saber o que tinha dentro. Já José Carvalho Filho diz que a entrega do montante foi feita no escritório de advocacia de Yunes, em São Paulo, mas não por Lúcio Funaro. Ele conta que outra pessoa, cujo nome ainda não foi revelado e que seria operador do "departamento de propina" da empresa, fez a entrega. Segundo a Folha de S. Paulo, José Filho irá prestar depoimento no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), na próxima sexta (10), dentro do processo de cassação da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer.
Reações: